quarta-feira, 27 de maio de 2009

Réquiem

Ter pesadelos com o provável impossível

É sonha no dia em que vai ser tarde de mais

Desejar sofrer uma ultima vez a dor de um final

Que está presente em todos os momentos



Ver perdido o que ainda não se perdeu

Acompanhar com os olhos fechados

O que já saiu da vista há muito tempo

E no completo silencio ouvir calmamente

As palavras que já mais serão ditas



A agonia de um desfazer-se lento

A tortura de ser fragmentado ao vento

Há relações que deixam pessoas feridas

Há outras que deixam corações mortos

sexta-feira, 22 de maio de 2009

Reflexão de um apaixonado


Fadado a não ser ouvido
Usando gestos para falar
Do meu triste e mudo amor 

Grito em completo silêncio
O desespero de ser nulo
E imperceptível ao olhar 

Escravo por estar incompleto
Cativo pelos olhos que não me vêem
Sussurrando a ouvidos que não ouvem
Para quem ainda não entendeu
Meu tolo jeito de amar alguém

terça-feira, 12 de maio de 2009

O medo


Cada vez que não faço

Cada palavra que não digo

Cada gesto que nego

Cada dia que espero

Dá-me medo.


O medo de fazer errado

O medo de dizer tolices

O medo de não ser entendido

O medo de perder pra sempre

Dá-me vontade


Vontade de fazer de vez

Vontade de contar tudo

Vontade de tomá-la aos braços

Vontade de me perder pra sempre

Dá-me motivo


Motivo para ser paciente

Motivo para planejar

Motivo para ser cuidadoso

Motivo para não me adiantar

Dá-me esperanças...


Das esperanças o sonho

Do sonho o motivo pra sonhar

Dá-me vontade de não ter

O simples medo de acordar.