segunda-feira, 28 de dezembro de 2009

Desencanto


Acho que não preciso me localizar, tenho perfeita ciência de onde estou, minha necessidade é de uma bussola para poder guiar o que eu encontrei, alias encontrei algo sem nome e sem função determinada, dele só conheço as necessidades e os vícios, nem sequer sei diferenciar ou julgar suas virtudes, quando busco a fundo me afogo e quando tento escapar não passo da borda. 

Hoje tenho dificuldade em determinar se falta ou se sobra e tão pouco sei o que se aprende quando se tenta esquecer, não tenho idéia se estou mentindo para ganhar ou perder tempo e passo as noites a censurar os atos bárbaros da minha conduta diária. 

Os dias são repetitivos, as falhas de caráter são as mesmas e o reflexo que o espelho mostra fica cada dia mais vazio, nesse jogo de comparação de imagens da origem para a idéia já achei todos os erros e também vejo todas as soluções, à única coisa que não enxergo sou eu em meio às adições e subtrações de características, cada mudança me desfigura e toda vez completo, me desfaço. 

Aquilo que encontrei não guarda decepção ou satisfação apenas transborda desencanto.

terça-feira, 7 de julho de 2009

Crônica

O engraçado é que as coisas tendem a fluir pra longe do seu controle não que isso realmente seja engraçado mais acabamos preferindo rir para não chorar, então estou eu derramando minhas lagrimas com o melhor sorriso que posso dar.

O pior de se doar é não poder cobrar o que você deu por vontade própria e sem interesse, o que entregou por querer entregar e com o passar do tempo as duvidas geram ideias e as ideias dão origem aos medos e os medos cobrão a duros golpes escolhas e as escolhas geram mais duvidas....e medos, nessa confusão toda você não sabe se desiste e pede o coração de volta pra massagear ele com mentiras e ilusões, se insiste mais um pouco mesmo sabendo que esta no limite e que cada passo no escuro ou leva ao paraíso ou ao abismo.

Por que motivo a paixão que nos criamos nos faz vitimas dos nossos próprios desejos? Será que quando escolhemos amar já sabíamos das complicações e escolhemos esquecer delas por um tempo ou toda vez que nos apaixonamos essa inocente e inconsequente amnésia nos ataca?

E no fundo eu sei que as respostas pouco importam, o que realmente importa é o que vai sair da boca da outra pessoa um não ou um beijo ou no caso dos infelizes o silêncio. Nessas horas se aprende que nem todo silêncio simboliza paz, muitos dos que são capazes de amar por dois estão fadados a sofrer sozinhos, na luta diária de conquistar quem amam, e esses amantes só param de lutar depois de uma colisão, depois de saírem feridos, afinal de dor eles entendem.

terça-feira, 9 de junho de 2009

Pintura

Quando te conheci notei que faltavam cores no mundo

E a aquarela que brilhava no teu sorriso me guiou

A criar minha própria ilusão multicor ao teu redor

Minhas cores têm origem em ti e contigo todas partiram


Senti o frio do meu mundo monocromático

Transformando meu arco-íris em tons de cinza

E nas paredes e tetos úmidos do meu coração

Chovem lagrimas de solidão


Queimo lembranças, sonhos e esperanças

E quando essa me falta queimo ilusões

As brasas feitas de saudade crepitam

E me ferem com o ardor das incertezas


Tua silueta baila perfeita e silenciosamente

A cada movimento incerto das chamas

Enquanto às escuras sombras me devoram

Levando embora o que restou de mim

quarta-feira, 27 de maio de 2009

Réquiem

Ter pesadelos com o provável impossível

É sonha no dia em que vai ser tarde de mais

Desejar sofrer uma ultima vez a dor de um final

Que está presente em todos os momentos



Ver perdido o que ainda não se perdeu

Acompanhar com os olhos fechados

O que já saiu da vista há muito tempo

E no completo silencio ouvir calmamente

As palavras que já mais serão ditas



A agonia de um desfazer-se lento

A tortura de ser fragmentado ao vento

Há relações que deixam pessoas feridas

Há outras que deixam corações mortos

sexta-feira, 22 de maio de 2009

Reflexão de um apaixonado


Fadado a não ser ouvido
Usando gestos para falar
Do meu triste e mudo amor 

Grito em completo silêncio
O desespero de ser nulo
E imperceptível ao olhar 

Escravo por estar incompleto
Cativo pelos olhos que não me vêem
Sussurrando a ouvidos que não ouvem
Para quem ainda não entendeu
Meu tolo jeito de amar alguém

terça-feira, 12 de maio de 2009

O medo


Cada vez que não faço

Cada palavra que não digo

Cada gesto que nego

Cada dia que espero

Dá-me medo.


O medo de fazer errado

O medo de dizer tolices

O medo de não ser entendido

O medo de perder pra sempre

Dá-me vontade


Vontade de fazer de vez

Vontade de contar tudo

Vontade de tomá-la aos braços

Vontade de me perder pra sempre

Dá-me motivo


Motivo para ser paciente

Motivo para planejar

Motivo para ser cuidadoso

Motivo para não me adiantar

Dá-me esperanças...


Das esperanças o sonho

Do sonho o motivo pra sonhar

Dá-me vontade de não ter

O simples medo de acordar.

terça-feira, 24 de março de 2009

Sem titulo


Apenas estou sem objetivo

Sem metas, sem planos

Apenas acompanhando

O lento passar dos anos

Resistindo a mudança

Parando a evolução

Seguindo sem sair do lugar

Rumando sem direção

Respirando o passado

Alheio ao presente

Estático, demente

Como uma estatua

Sem platéia

Não vivo, existo

Apenas o mesmo “eu”

E somente....